Histologia vegetal

A histologia vegetal

A histologia vegetal estuda os tecidos que formam os vegetais. Os tecidos vegetais são divididos em dois grupos:

      - Tecidos de formação.

      - Tecidos permanentes.

 

I) Tecidos de formação - são caracterizados pelo meristema. Existem dois tipos de meristema:

      I-A) Meristema primário – tem a função de permitir o crescimento longitudinal do vegetal. O meristema fica localizado nas extremidades dos vegetais. Os tipos de meristemas podem ser caracterizados pelo(a): caliptrogênio (origina a coifa), dermatogênio (origina os tecidos de revestimento), pleroma (origina os tecidos do cilindro central) e o pleriblema (origina os tecidos da casca).

      I-B) Meristema secundário – tem a função de permitir o crescimento em espessura do vegetal. O câmbio permite o crescimento do tecido vascular, sendo encontrado no cilindro-central. Já o felogênio é encontrado na porção mais externa.

 

Os tecidos permanentes são caracterizados pelos tecidos de revestimento ou proteção, de sustentação, de condução e absorção, de armazenamento e síntese de substâncias orgânicas, como também são responsáveis pela secreção de substâncias.

 

      II) Tecidos de revestimento ou proteção - são divididos em:

      II-A) Epiderme: reveste as partes jovens das plantas, sendo formado por células celulósicas e sem a presença de clorofila. Na sua porção mais externa encontra-se a cutina (camada impermeabilizante que cobre a epiderme). Na epiderme encontramos os anexos da epiderme, divididos em:

      a) Pelos (tricomas): são prolongamentos das células da epiderme, com função de aumentar a absorção de água pelas raízes e folhas. também são importantes como isolante térmico e de umidade.

      b) Acúleos: são prolongamentos pontudos e resistentes que têm a função de proteger o vegetal.

     c) Estômatos: são estruturas encontradas na epiderme com a função permitir as trocas gasosas do vegetal com o meio.

      d) Hidatódios: são estômatos modificados que podem eliminar água na forma de gotas.

      II-B) Tecido suberoso ou súber: reveste as partes velhas das plantas, sendo formado por células mortas com depósito de suberina; também conhecido como cortiça.

 

      III) Tecidos de sustentação são divididos em:

      III-A) Colênquima: é formado por feixes de fibras que conferem rigidez e flexibilidade aos caules jovens, sendo formados por células celulósicas e com pectina. O colênquima é encontrado nos pecíolos dos vegetais.

      III-B) Esclerênquima:é formado por feixes de células fusiformes e mortas, sendo formados por células impregnadas por lignina, conferindo impermeabilidade e rigidez. As células alongadas são as fibras e as células cubiformes são os esclereídeos. O esclerênquima é encontrado em partes do tronco.

 

      IV) Os tecidos de condução e absorção são divididos em:

      IV-A) Vasos condutores: são divididos em dois grupos:

      - vasos do xilema (xilemáticos ou lenhosos): são formados por células mortas do tipo traqueias, com a função de conduzir a seiva bruta (água mais sais minerais) da raiz até as folhas. O xilema também possui função de sustentação do vegetal.

      - vasos do floema (liberianos ou líber): são formados por células vivas, responsáveis pela condução da seiva elaborada (água mais matéria orgânica) das folhas para as outras partes dos vegetais. Os compostos orgânicos, como, por exemplo, a glicose, pode, ser utilizados pelas mitocôndrias no processo de respiração celular aeróbia.

      IV-B) Pelos absorventes: são as estruturas encontradas na raiz com função de aumentar a superfície de absorção, para aumentar a captação de água e sais minerais pelo vegetal.

 

      V) Tecidos de armazenamento e síntese de substâncias são divididos em:

      V-A) Parênquima clorofiliano (clorênquimas): é o tecido no qual encontramos a clorofila retida no interior dos cloroplastos com a função de realizar a fotossíntese. Podemos dividir o parênquima clorofiliano em:

      a) Clorofiliano lacunoso: encontrado na porção inferior das folhas. É formado por células e espaços vazios entre elas (lacunas).

      b) Clorofiliano paliçádico: encontrado na porção superior das folhas. É formado por células alongadas como se fosse um paliteiro, sendo suas células ricas em cloroplastos.

      V-B) Parênquima de armazenamento (não clorofiliano), que é dividido em:

      a) Parênquima amilífero: tecido de armazenamento de amido, sendo o amido depositado nos amiloplastos. O amido é o material de reserva energética dos vegetais.

      b) Parênquima aerífero: tecido de armazenamento de ar, sendo encontrado em plantas aquáticas permitindo sua flutuabilidade.

      c) Parênquima aquífero: tecido de armazenamento de água, sendo encontrado em plantas de regiões desérticas ou secas permitindo a retenção de água pelo vegetal.

      d) Parênquima de preenchimento: tecido que permite o preenchimento dos espaços no interior dos vegetais.

 

      VI) Tecidos de secreção são divididos em:

      VI-A) Pelos secretores: são estruturas responsáveis pela secreção de substâncias que atuam na defesa e proteção do vegetal, como, por exemplo, a liberação de substâncias urticantes.

      VI-B) Vasos lactíferos (laticíferos): são células que fabricam o látex (goma lipídica) produzido pelas seringueiras. A função do látex nos vegetais é proteger o organismo vegetal, cicatrizando possíveis lesões.

      VI-C) Nectários: são células glandulares responsáveis pela produção do néctar. Essas estruturas são encontradas nas flores das angiospermas.

      VI-D) Canais resiníferos: são responsáveis pela liberação de resina.

Aprofunde seus conhecimentos nas seguintes revistas eletrônicas de ciências:

http://www.cienciahoje.org.br/

https://super.abril.com.br/

http://www2.uol.com.br/sciam/

https://www.nature.com/nature/

https://www.nationalgeographic.com/

O material disponível no site está registrado e não pode ser copiado ou reproduzido sem a expressa autorização do autor.  É permitida a utilização dos textos em trabalhos escolares. Lembre-se que algumas das imagens são comercializadas de terceiros e os responsáveis assumirão legalmente pelo seu uso indevido.

Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.

© 2015 por OMNIBIOCIÊNCIA - O melhor conteúdo de Ciências e biologia para estudantes do Ensino Fundamental e Médio.