Genética

A genética

A genética é o ramo da biologia que estuda a relação dos genes e suas manifestações, bem como suas subdivisões: engenharia genética e biotecnologia.

 

A genética pode ser estudada através da seguinte divisão:

     I) Mendelismo: estudos baseados nas análises de Mendel.

     II) Polialelia.

     III) Interação Gênica: interação entre pares de alelos.

     IV) Pleiotropia.

     V) Genes Letais.

     VI) Herança & Cromossomos Sexuais (alossomos).

     VII) Análise de Mapas Gênicos.

     VIII) Genética de Populações (Equilíbrio de Hardy-Weinberg).

     IX) Engenharia Genética e Biotecnologia.

 

I) Mendelismo

     Estuda somente características que são definidas por um par de alelos. Podem ser estudadas uma de cada vez, como no monohibridismo, duas de uma só vez, como no diibridismo ou mais de duas, como no poliibridismo.

     Tipos de monohibridismo:

     a) Monohibridismo com dominância absoluta – há um alelo dominante e um recessivo. O alelo dominante manifesta sua característica em detrimento do recessivo;

     b) Monohibridismo sem dominância – não há distinção entre alelo dominante e recessivo; ambos participam igualmente na manifestação da característica. Este caso é dividido em:

      b-1) Herança intermediária – ambos os alelos participam na geração de um fenótipo intermediário.

     b-2) Co-dominância – ambos os alelos participam juntamente na manifestação de uma característica intermediária, porém cada alelo produz seu próprio fenótipo.

 

II) Polialelia

     São os casos em que somente uma característica é estudada, porém para cada locus gênico há um número maior do que dois alelos para a manifestação do fenótipo, gerando um número maior de variantes de uma determinada característica.

     1º caso) Cor da pelagem de coelhos (participam quatro alelos): CS ou C, cch, ch e ca. A ordem de dominância entre eles é: CS > cch > ch > ca. A combinação entre eles forma 10 genótipos para 4 tipos diferentes de fenótipos.

    2º caso) Grupos sanguíneos na espécie humana: participam três alelos IA, IB e i. A ordem de dominância entre eles é: IA = IB > i. A combinação entre eles forma 6 genótipos para 4 tipos diferentes de fenótipos.

 

A doação de sangue segue a seguinte regra:

  • Todos os grupos sanguíneos podem doar sangue para quem é do mesmo grupo sanguíneo.

  • Grupo O = doador universal; quem é desse grupo pode doar sangue para todos os outros grupos, porém só recebe de quem é grupo O;

  • Grupo AB = receptor universal; quem é desse grupo pode receber doação sanguínea de qualquer grupo, porém só pode doar para quem é do grupo AB.

  • Grupo A = recebe sangue do grupo O e do grupo A, porém só doa para grupo AB ou grupo A.

  • Grupo B = recebe sangue do grupo O e do grupo B, porém só doa para grupo AB ou grupo B.

 

     3º caso) Fator Rh: participam seis alelos: C, c, D, d, E e e, porém somente dois alelos são representativos na análise prática, o alelo D e o alelo d. Indivíduos Rh+ possuem a proteína do fator Rh, já as pessoas Rh- não as possuem.

 

     A doação de sangue segundo o fator Rh segue a seguinte regra:

 

  • Quem é Rh positivo só doa para quem é Rh positivo, porém quem é Rh negativo pode doar para Rh negativo e positivo.

    Problema relacionado ao fator Rh: Eritroblastose fetal - doença caracterizada pela seguinte condição genética:

     Pai (Rh positivo); Mãe (Rh negativo); 1º filho (Rh positivo); 2º filho (Rh positivo).

 

III) Interação Gênica

É a interação entre dois pares de alelos localizados em pares de cromossomos homólogos diferentes, gerando um determinado fenótipo.

 

     III-a) Interação gênica simples ou polimeria

     É quando um par de alelos localizados em diferentes pares de cromossomos homólogos interagem na manifestação de um caráter.

     III-b) Epistasia

     É quando um par de alelos localizado num par de cromossomos homólogos atua sobre outro par de alelos expressando ou suprimindo a manifestação do fenótipo. A epistasia pode ser condicionada por alelo dominante ou recessivo. O alelo que suprime a manifestação do outro par é chamado epistático e o alelo que é suprimido é chamado hipostático.

 

     III-c) Herança Quantitativa ou Poligênica (gens cumulativos ou poligens)

 

     É quando os pares de alelos localizados nos pares de cromossomos diferentes possuem valor quantitativo, logo os alelos são conhecidos como aditivos ou não-aditivos na manifestação da característica. Há a formação de uma escala gradual de fenótipos a qual chamamos de variação contínua ou gradual, sendo demonstrada em gráfico na forma de sino (curva de Gauss).

Para sabermos o número de pares de alelos que participam da manifestação da característica, estaremos achando o número de classes fenotípicas; logo aplicamos a seguinte sequência:

     No de classes fenotípicas = 2n + 1;

     Em que n refere-se ao número de pares de alelos.

     Para calcular o valor quantitativo de cada alelo aditivo, temos:

 

Valor máximo – Valor mínimo

_____________________________   =  Valor de determinado alelo

No máximo de alelos aditivos

 

 

IV) Pleiotropia

É o inverso da interação gênica, ou seja, um único par de alelos é responsável pela manifestação de mais de um tipo de fenótipo. Na espécie humana:

Síndrome de Laurence-Moon - somente um gene é responsável por retardamento mental, obesidade e hipertrofia das gônadas;

Síndrome de Marfan - somente um gene é responsável por ocasionar aracnodactilia e defeitos cardíacos.

 

V) Genes letais

São alelos que em dose dupla podem ocasionar a morte do indivíduo num determinado ponto do seu processo de desenvolvimento, seja antes ou depois do nascimento.

Aprofunde seus conhecimentos nas seguintes revistas eletrônicas de ciências:

http://www.cienciahoje.org.br/

https://super.abril.com.br/

http://www2.uol.com.br/sciam/

https://www.nature.com/nature/

https://www.nationalgeographic.com/

O material disponível no site está registrado e não pode ser copiado ou reproduzido sem a expressa autorização do autor.  É permitida a utilização dos textos em trabalhos escolares. Lembre-se que algumas das imagens são comercializadas de terceiros e os responsáveis assumirão legalmente pelo seu uso indevido.

Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.

© 2015 por OMNIBIOCIÊNCIA - O melhor conteúdo de Ciências e biologia para estudantes do Ensino Fundamental e Médio.