Ecologia

Relações ecológicas e sobrevivência

Os seres vivos que habitam os seus respectivos ecossistemas podem se inter-relacionar para manterem sua sobrevivência; essas relações são ditas ecológicas e são divididas em:

      I – Relações harmônicas: ambos os seres se beneficiam ou não causam prejuízo um ao outro. É dividida em:

     

I-a) Intraespecíficas:

      I-a-i) Colônias – seres vivos da mesma espécie que vivem juntos para facilitar a sobrevivência, podendo haver divisão de tarefas, porém os seres vivos são iguais morfologicamente.

    I-a-ii) Sociedades – seres vivos da mesma espécie que vivem separados em castas para facilitar a sobrevivência do grupo, havendo divisão de tarefas e diferenças morfológicas entre os indivíduos.

     

I-b) Interespecíficas:

       I-b-i) Mutualismo – seres vivos de espécies diferentes se ajudam mutuamente com obrigatoriedade;

    I-b-ii) Protocooperação ou mutualismo não obrigatório – seres vivos de espécies diferentes se ajudam mutuamente, porém sem obrigatoriedade.

      I-b-iii) Comensalismo – um ser vivo de uma espécie se aproveita de um ser vivo de outra espécie sem lhe causar prejuízo.

          Observação: Inquilinismo - um ser vivo de uma espécie se aproveita de um ser vivo de outra espécie com fins habitacionais sem lhe causar prejuízo. Quando ocorre com vegetais dizemos epifitismo, e ainda epizoísmo quando ocorre com cracas.

 

 

II – Relações desarmônicas: os seres causam prejuízo mútuo ou ao outro indivíduo. São divididas em:

      II-a) Intraespecíficas:

      I-a-i) Competição intraespecífica: um ser vivo compete com outro da mesma espécie, por comida, habitat ou fêmea.

      I-b-ii) Canibalismo: um ser vivo come o outro da mesma espécie.

     

II-b) Interespecíficas:

    II-b-i) Competição interespecífica – um ser vivo compete com outro de espécie diferente, por comida, habitat ou fêmea.

   II-b-ii) Predatismo – um ser vivo se alimenta do outro, sendo um predador e outro indivíduo a presa. Quando um ser vivo se alimenta de um vegetal podemos definir como herbivorismo, pois a planta não é caracterizada como presa e sim como alimento.

  II-b-iii) Parasitismo – um ser vivo parasita o outro, sendo um indivíduo o parasita e o outro o hospedeiro. Sempre o hospedeiro é prejudicado.

   II-c-iv) Esclavagismo – um ser vivo captura outro de espécie diferente para lhe servir.

 II-d-v) Amensalismo ou antibiose – um ser vivo produz uma substância que inibe ou impede o desenvolvimento de seres vivos de outras espécies.

 

Sobrevivência

Para manterem a sobrevivência da espécie, alguns grupos desenvolveram estratégias específicas, como:

           I – Camuflagem: espécie que desenvolveu um padrão de coloração semelhante ao meio em que vive. Na camuflagem por homocromia o ser vivo imita um padrão de coloração do meio, já na camuflagem por homomorfia o ser vivo imita uma estrutura do meio.

          II – Mimetismo: espécie que se assemelha a uma outra espécie para facilitar sua sobrevivência.

         III – Coloração de advertência: espécie que possui um padrão de coloração que serve como alarme para outra espécie, servindo como aviso de provável perigo. As cores de advertência são vivas e caracterizadas principalmente pelo amarelo, vermelho e preto.

Aprofunde seus conhecimentos nas seguintes revistas eletrônicas de ciências:

http://www.cienciahoje.org.br/

https://super.abril.com.br/

http://www2.uol.com.br/sciam/

https://www.nature.com/nature/

https://www.nationalgeographic.com/

O material disponível no site está registrado e não pode ser copiado ou reproduzido sem a expressa autorização do autor.  É permitida a utilização dos textos em trabalhos escolares. Lembre-se que algumas das imagens são comercializadas de terceiros e os responsáveis assumirão legalmente pelo seu uso indevido.

Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.

© 2015 por OMNIBIOCIÊNCIA - O melhor conteúdo de Ciências e biologia para estudantes do Ensino Fundamental e Médio.